Home > Abaixo Assinado Parcão > Abaixo-assinado Parcão

Pedimos  um espaço público para que seus  donos levarem seus animais para passear. (Parque para cães)

 

Um abaixo assinado começou a circular na 6ª Cãominhada de Blumenau e já está circulando pelo comércio de Blumenau.

Os proprietários de cães pedem um espaço público para que possam levar seus animais para passear, já que no Parque Ramiro Ruediger é proibido a entrada de animais.

  Veja o que diz no abaixo assinado:

  É cada vez maior o número de famílias que tem bichos de estimação, inclusive moradores de apartamentos, e nem todos encontram condições para exercitar seus animais em seus condomínios ou ruas. Mesmo os cães que moram em casas, muitas vezes necessitam sair para caminhar, devido características de raça ou nível de energia.
Seguindo uma tendência das grandes cidades mundiais, alguns municípios brasileiros já criaram esses espaços, conhecidos como Parque para Cães. Ali, cães e humanos podem interagir livremente, com segurança e infra-estrutura apropriada.
Nós, proprietários de cães e moradores da cidade de Blumenau, vimos através deste instrumento solicitar à administração municipal a criação de um espaço público, onde possamos levar nossos animais para exercitá-los e socializa-los com outros cães e humanos.

                                             Vamos em busca de nossa conquista!

Assine AQUI 

https://www.abaixoassinado.org/assinaturas/assinar/4954#inicio

Que bacana a iniciativa por mais Parcão no Brasil , Blumenau esta junto conseguimos conquistar nosso espaço em Blumenau . Quem assinou nosso abaixo assinado lembra do nosso trabalho #Forminguinha….Pelos Animais.Abaixo assinado que realizamos http://hachiong.org.br/category/abaixo-assinado-parcao/

Inaugurado em Junho de 2016, é um sucesso  administrado pela PMB Faema.

Juntos somos fortes a União faz a Força.

G1 – Blumenau

Blumenau inaugura parque exclusivo para animais de estimação

Foto: Prefeitura de Blumenau

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

O presente projeto tem por objetivo à criação de espaço
exclusivo para cães, denominado Parcão, onde eles
poderão ficar soltos sem guia ou coleira, de tal forma que
possam correr livremente, sempre com o olhar cauteloso do
proprietário que deve possuir tamanho e força necessários
para mantê-los sob controle, a quem devem caber todas
as responsabilidades, incluindo administrativas, civis
e penais, estabelecidas em lei. Devem também ter a
obrigação de intervir em caso de conflito com outros cães
e em outras eventuais necessidades.

É cada vez maior o número de famílias que têm bichos de
estimação, inclusive moradores de apartamentos e, devido
à ocupação territorial da cidade, nem todos encontram
condições para exercitar seus animais em suas Regiões
Administrativas. Mesmo os cães que moram em casas, muitas
vezes necessitam sair para caminhar, devido características
de raça ou nível de energia. Ademais, a socialização com
outros cães o torna mais dócil.

Seguindo uma tendência das grandes cidades mundiais,
tais como Nova Iorque, Londres, Buenos Aires, entre outras,
alguns municípios brasileiros já criaram esses espaços,
conhecidos como Parque para Cães, ou simplesmente
Parcão. Ali, cães e humanos podem interagir livremente, com
segurança e infraestrutura apropriada.

É sabido que parques são locais de diversão e lazer, assim,
enquanto os cães correm livremente e interagem com outros
animais, seus donos fazem novos amigos, trocam dicas sobre
cuidados com cães e promovem atividades, como feiras de
adoção, conscientização de bons tratos a animais, concursos,
entre outras.

Na cidade do Rio de Janeiro, só nos fins de semana, o Parcão
da Lagoa recebe cerca de 700 cães, tendo a área sido cedida
para iniciativa privada, por meio da Fundação Parques e
Jardins da Prefeitura do Rio, e três petshops cuidam da
manutenção do espaço.

Em Curitiba, na Rua Manoel Eufrásio, o Parcão passou a ser
ocupado por uma iniciativa popular, tendo como pioneiro o
advogado Levy Lima Neto, que levava seu Cocker Spaniel.
Hoje em dia, pelo menos uma centena de donos de cães se
reúne por lá todos os finais de semana.

O Parque Villa Lobos, que fica em Alto de Pinheiros, na zona oeste de
São Paulo, inaugurou em agosto de 2011 o “Espaço Canino”, uma área
de lazer com 1.855 metros quadrados, onde as pessoas podem ir com
seus animais para passar um dia com muita atividade e contato com
a natureza. Este espaço conta com o apoio de uma equipe do Kennel
Club de São Paulo, que vai até o local e oferece um serviço gratuito de
adestramento todos os sábados.

Ressalta-se que o Kennel Club de São Paulo promove o trabalho
voluntário no parque desde novembro de 1997, mas somente com o
Parcão a instituição terá um lugar fixo para interação com a sociedade.
O trabalho é realizado pelo diretor de Adestramento do Kenel Clube
São Paulo, José Airton Rodrigues Freitas, além de outros adestradores
voluntários, e conta sempre com a presença de um veterinário no local.

Na cidade de Blumenau, uma iniciativa popular levou às ruas na 6ªCãominhada cerca de 4.000 mil cães e pessoas, para que fosse criado o primeiro Parcão da cidade. O abaixo assinado já possui 3.500 assinaturas e conta com o apoio de políticos.

Em Porto Alegre, a Lei Municipal n.° 11.220/12, de autoria do vereador Dr.
Raul Torelly (PMDB), foi sancionada pelo prefeito José Fortunati no dia 15
de fevereiro de 2012, que segundo o autor da Lei: “Existem pessoas que
se sentem incomodadas com a presença de cães em parques. Portanto,
torna-se fundamental respeitar esse direito criando um espaço exclusivo
para eles”. O texto da Lei descreve que praças e parques de Porto Alegre, superiores a 10 mil metros quadrados, deverão destinar 10% de seu espaço para
cães que circulam sem guia, coleira ou focinheira.

Um Parcão é um espaço exclusivo para cães que podem se
exercitar e brincar sem coleira em um ambiente controlado, sob a
supervisão de seus proprietários.
O Parcão proporciona um espaço comunitário em que as pessoas
podem se reunir e socializar umas com as outras, bem como se
pode observar a interação de grupos de cães, este local não só
permite que os proprietários e seus cães passem o tempo juntos,
mas também oferecer um espaço de cães para brincar e conviver
om outros cães.
Os Parcães variam de acordo com seu tamanho, porém estes
devem ser cercados com alambrado a uma altura mínima de 1
metro e meio, devendo ter um, ou mais, portão de acesso na forma
de corredor com espaçamento mínimo de 2 metros, de tal forma que
um portão só é aberto enquanto o outro esteja fechado, evitando
com isso fuga ou saída acidental de outros cães.
É necessário que se tenha bancos para os seres humanos,
acessibilidade para portadores de necessidades especiais, seja
arborizado ou possuam área de sombra para os dias quentes,
seja perto do de estacionamento, possua lixeiras com tampa para
descarte de resíduos animais, e se tenha manutenção regular e
limpeza do terreno, bem como bebedouros e torneiras com água
potável e saquinhos para recolhimento de fezes.

DESENVOLVIMENTO E MAIS DETALHES

Um Parcão é um espaço exclusivo para cães que podem se
exercitar e brincar sem coleira em um ambiente controlado, sob a
supervisão de seus proprietários.

O Parcão proporciona um espaço comunitário em que as pessoas
podem se reunir e socializar umas com as outras, bem como se
pode observar a interação de grupos de cães, este local não só
permite que os proprietários e seus cães passem o tempo juntos,
mas também oferecer um espaço de cães para brincar e conviver
om outros cães.

Os Parcães variam de acordo com seu tamanho, porém estes
devem ser cercados com alambrado a uma altura mínima de 1
metro e meio, devendo ter um, ou mais, portão de acesso na forma
de corredor com espaçamento mínimo de 2 metros, de tal forma que
um portão só é aberto enquanto o outro esteja fechado, evitando
com isso fuga ou saída acidental de outros cães.

É necessário que se tenha bancos para os seres humanos,
acessibilidade para portadores de necessidades especiais, seja
arborizado ou possuam área de sombra para os dias quentes,
seja perto do de estacionamento, possua lixeiras com tampa para
descarte de resíduos animais, e se tenha manutenção regular e
limpeza do terreno, bem como bebedouros e torneiras com água
potável e saquinhos para recolhimento de fezes.

Estudos nos Estados Unidos têm mostrado que as pessoas acham mais fácil
falar uns com os outros tendo os cães como ponto de partida no diálogo,
quebrando as barreiras sociais que tornam as pessoas em nossa sociedade
perceber os outros como estranhos. A pesquisa mostrou também que os
cães melhoram a saúde das pessoas (reduzindo a sua pressão arterial) e
aumentando a resistência à doença, dando às pessoas o amor incondicional
e companheirismo, estimulando-as a se exercitar, ao conectar as pessoas aos
cães e reconstruído um senso de propósito.

Para os idosos, ter o amor incondicional de um animal de companhia faz-se
necessário um espaço exclusivo para que estes possam se liberar sua
energia já que seus donos já não possuem uma condição física favorável para
caminhadas ou corridas.

Por fim, para a sociedade em geral, os benefícios adicionais do Parcão incluem
a posse responsável de um animal de estimação, destinando a eles um espaço
próprio, livrando o convívio com pessoas que não tem gosto por cães, além de
conscientizar a população sobre a necessidade de respeitar os ditames legais
em vigor sobre a condução e posse de cães em espaços públicos.

Um comentário, RSS

  • KELLI APARECIDA

    says on:
    19 de outubro de 2014 at 19:13

    Apoiado!

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*